Blog

Posts com a Tag ‘literatura’

Concerto em homenagem a Paulo Leminski abre Mês da Literatura

Por Toda Letra em 24 de agosto de 2016

Entre 24 de agosto e 25 de setembro de 2016 a Secretaria de Estado da Cultura (SEEC) e a Biblioteca Pública do Paraná (BPP) promovem o Mês da Literatura. Para abrir a programação do evento, a Orquestra Sinfônica do Paraná apresenta na próxima quarta-feira (24/08), às 20h30, no Guairão, o concerto “Paulo Leminski – Canções e Poemas”. A data de abertura homenageia o nascimento do poeta (24 de agosto). Já o encerramento das atividades coincide com o aniversário de 80 anos da Academia Paranaense de Letras, criada em setembro de 1936.

orquestra_leminski

 

Com regência do maestro Alessandro Sangiorgi, o concerto terá participações de Estrela Leminski, Téo Ruiz, Ná Ozzetti, Rogéria Holtz e Aurea Leminski. O programa abre com a declamação da poesia Sintonia para Pressa e Presságio e segue com as canções e poemas Verdura, Se houver céu, Hoje tá tão bonito, A você amigo, Navio, Filho de Santa Maria, Polonaises, Live with me, Xixi nas Estrelas, Luzes, e Valeu. Todas as composições são do Leminski ou têm participação do poeta. Como parte das comemorações, na ocasião será lançado o LP duplo Leminskanções.

 

Leminski experimentou diversas linguagens artísticas. Faleceu aos 45 anos e deixou um grande legado na literatura e na música. Produziu cerca de 100 músicas, entre canções e parcerias, catalogadas em um livro de partituras recém-lançado. Nos anos 1980 estas composições foram gravadas por Caetano Veloso, Blindagem, A Cor do Som, Ney Matogrosso, Paulinho Boca de Cantor, Moraes Moreira, Itamar Assumpção, MPB4 e Ângela Maria.

 

Programação literária

No Mês da Literatura, 11 escritores paranaenses vão percorrer 25 municípios do interior do Estado. Cada autor visitará entre duas e três bibliotecas. Durante os encontros, os escritores, além de falar sobre suas próprias obras, também irão abordar assuntos como livro, leitura e formação de leitores.

 

As instituições selecionadas abrangem as mais variadas regiões do Estado – dos Campos Gerais ao Norte paranaense – e são referência entre as quase 500 bibliotecas cadastradas no Sistema Estadual de Bibliotecas Públicas do Paraná, que é coordenado e administrado pela BPP. Nesta primeira edição participam: Alto Paraná, Ampére, Araucária, Castro, Colombo, Guaratuba, Ibiporã, Jaguariaíva, Lapa, Marechal Cândido Rondon, Maripá, Palmas, Paiçandu, Paraíso do Norte, Paranaguá, Peabiru, Quedas do Iguaçu, Quitandinha, Rio Azul, Santa Helena, Salto do Lontra, Santo Antônio da Platina, Santo Inácio, Telêmaco Borba e Tibagi.

 

Inserido no Plano Estadual do Livro, Leitura e Literatura (PELLL), o Mês da Literatura é uma ação que deve entrar para o calendário cultural do Estado. “Além de fomentar e valorizar a leitura, incentivar e difundir a produção literária paranaense, o projeto também descentraliza a cultura ao levar nossos autores a pequenos e médios municípios”, explica o secretário de Estado da Cultura, João Luiz Fiani.

 

Entre os autores convidados, estão romancistas (Cristovão Tezza e Miguel Sanches Neto), autores infantojuvenis (Cléo Busatto), poetas (Rodrigo Garcia Lopes e Karen Debértolis), críticos (José Castello) e jovens autores (Marcos Peres). Um recorte plural da cena literária paranaense.

 

A programação completa do Mês da Literatura estará disponível no site da Secretaria da Cultura: www.cultura.pr.gov.br.

 

Serviço

Abertura do “Mês da Literatura” com concerto da Orquestra Sinfônica do Paraná “Paulo Leminski – Canções e Poemas”

Regência: Alessandro Sangiorgi

Participações especiais: Estrela Leminski, Téo Ruiz, Ná Ozzetti, Rogéria Holtz e Aurea Leminski

Dia 24 de agosto, às 20h30

Auditório Bento Munhoz da Rocha Netto – Guairão

Ingressos: R$ 20 e R$ 10 (meia-entrada)

Classificação: maiores de 7 anos

 

Flip confirma presença de Tamim Al-Barghouti

Por Toda Letra em 15 de maio de 2013

A Flip confirmou a presença do escritor e cientista político palestino nascido no Egito Tamim Al-Barghouti. Apelidado de “o poeta da revolução” – depois que um poema de sua autoria foi declamado na praça Tahrir, no Cairo, durante os protestos contra o ditador egípcio Hosni Mubarak –, ele virá para a 11ª edição da Flip. Exilado do Egito em 2003, Tamim vive hoje em Washington e trabalha como professor convidado da Universidade de Georgetown.

Inspirado na Primavera Árabe, o pequeno poema Oh Egypt, it’s close foi publicado por Tamim em um jornal egípcio para o qual ele trabalha como colunista, justamente após o governo de Mubarak bloquear o acesso à internet no país. Os versos foram declamados por milhares de pessoas em meio às manifestações.

Apesar de ter obtido projeção internacional no ápice dos protestos, o poeta de 35 anos já era consagrado no meio literário do mundo árabe por suas poesias de cunho político e social. Tamim estudou política na Universidade do Cairo e na Universidade de Boston, onde alcançou o título de PhD em ciência política. Com dois livros publicados sobre história e política, além das coleções de poesia, ele é considerado um mestre da língua e história árabes.

Filho do poeta palestino Mourid Al-Barghouti e da romancista egípcia Radwa Ashour, Tamim nasceu na região de Deir Ghassanah, próximo a Ramallah, em 1977, ano em que o governo egípcio havia iniciado um processo de paz com Israel e tinha expulsado a maioria dos palestinos de destaque, incluindo o pai de Tamim. Im

erso na realidade do mundo árabe desde a infância, ele descobriu na literatura um meio de expressar os sentimentos de quem nasceu e cresceu em uma zona de conflito. Publicou o seu primeiro poema aos 18 anos.

Em 1999, aos 22 anos, Tamim retornou à Palestina pela primeira vez. Lá, ele lançou sua primeira coleção de poemas, intitulada Mijana. No Cairo, o poeta escreveu sua segunda coleção, Al Manzar. Em 2003, na véspera da invasão norte-americana ao Iraque, Tamim deixou o Egito em protesto contra o apoio do governo à guerra. Essa experiência resultou em dois trabalhos que, bem recebidos, deram fama a Tamim no mundo árabe. O primeiro foi Aluli-Bethebbe-Masr (They Ask: Do You Love Egypt?). O segundo, Maqam Iraq, foi descrito pela crítica como “algo que remete a uma clássica obra de arte árabe”.

Em 2007, seu trabalho Em Jerusalém tornou-se uma espécie de poema de rua, impresso em cartazes pendurados nas cidades palestinas, e Tamim foi chamado de “o poeta de Jerusalém“ pelos jornais palestinos. A obra, que descreve uma viagem abortada à cidade, tornou-se o mote de uma série de apresentações em Nablus, Ramallah, Hebron, Belém, Jericó, Amã, Beirute, Haia, Viena, entre outros lugares.

Hatoum de volta

Segundo o jornal Folha de S. Paulo, a Flip também confirmou a volta de Milton Hatoum a Paraty. Ele fará a conferência de abertura sobre o Graciliano Ramos, homenageado desta edição –em 27 de outubro, completam-se 120 anos do nascimento do escritor alagoano.

O autor de “Dois Irmãos” e “Cinzas do Norte” discorrerá sobre a importância da obra de Graciliano Ramos em várias áreas da cultura brasileira, incluindo o cinema e a política.

zp8497586rq

Biblioteca Pública do Paraná promove bate-papo e exposição em homenagem a Jamil Snege

Por Toda Letra em 14 de maio de 2013

Um dos mais festejados escritores do Paraná, Jamil Snege (1939-2003) transitou por diversos gêneros, publicou 11 livros e, após uma década de sua morte, continua relevante. Para lembrar os dez anos sem o autor, a Biblioteca Pública do Paraná (BPP) promove no dia 16 de maio, a partir das 19h, um bate-papo com escritores que foram amigos de Snege. Cristovão Tezza e Miguel Sanches Neto vão conversar a respeito da vida e da obra do autor de Como se fiz por si mesmo. A entrada é franca. Após o bate-papo, no hall térreo da BPP, será aberta uma exposição com fotos de Daniel Snege, filho mais velho de Jamil.

Premiado no Brasil e com obras traduzidas em diversos idiomas, Cristovão Tezza conviveu com Snege entre o final da década de 1960 e início dos anos 1970, período em que era um escritor iniciante. Já Miguel Sanches Neto editou alguns livros do Turco e acompanhou o autor em seus últimos anos de vida. Além de contarem epis

Inscrições abertas para o Prêmio Paraná de Literatura 2013

Por Toda Letra em 2 de maio de 2013

A Biblioteca Pública do Paraná lançou nesta segunda-feira (29) o Prêmio Paraná de Literatura 2013. Como na primeira edição, realizada no ano passado, o concurso da Secretaria da Cultura do Paraná vai selecionar livros inéditos em três categorias que homenageiam escritores importantes da literatura paranaense: Romance (prêmio Manoel Carlos Karam), Contos (prêmio Newton Sampaio) e Poesia (prêmio Helena Kolody)Em 2012, quase 900 obras foram inscritas por autores de todo o Brasil.


O vencedor de cada categoria receberá R$ 40 mil e terá sua obra publicada pela BPP, com tiragem de mil exemplares. Os premiados também receberão 100 cópias de seus livros e poderão, mais tarde, reeditar seus trabalhos por outras editoras. As inscrições são gratuitas e devem ser feitas até o dia 31 de julho (o edital com as regras e instruções está disponível nos sites bpp.pr.gov.br e seec.pr.gov.br). O resultado será divulgado na primeira quinzena de dezembro. O edital e a ficha de inscrição você encontra aqui.

Em 2012, os vencedores foram Alexandre Vidal Porto (com o romance Sergio Y vai à América), José Roberto Torero (Papis et circensis, contos) e Lila Maia (As maçãs de antes, poesia). Os três livros foram lançados e distribuídos pelo selo Biblioteca Paraná, que também edita autores paranaenses e resgata títulos relevantes que estejam esgotados ou fora de catálogo. Vidal Porto e Torero já confirmaram a reedição de suas obras pelas editoras Companhia da Letras e Alfaguara, respectivamente, enquanto Lila Maia promete para breve uma segunda impressão de seu trabalho.

“A publicação dos livros ganhadores também por gra

ndes editoras mostra a força do Prêmio Paraná de Literatura e a seriedade com que os jurados trabalharam na escolha dos vencedores”, afirma Rogério Pereira, diretor da BPP e presidente do júri — que em 2012 contou com nomes como José Castello, Luiz Ruffato, Marçal Aquino e Heloisa Buarque de Hollanda, entre outros. “A comissão julgadora é um dos pilares do Prêmio. Teremos um cuidado muito especial na escolha dos nove integrantes do novo júri”, completa Pereira.

Para o diretor da BPP, a preocupação central da organização do Prêmio Paraná é fortalecê-lo como um dos principais concursos literários do País. Para isso, foram mantidas a premiação em dinheiro apenas para os três primeiros colocados de cada categoria e a exigência de total ineditismo dos livros inscritos. “Os ganhadores com certeza serão reconhecidos como autores de qualidade, pois a disputa será sempre acirrada, levando em consideração o valor expressivo a ser pago. Além disso, um prêmio como este precisa surpreender o meio literário, despertar a curiosidade sobre a obra ganhadora. Daí a opção por trabalhos 100% inéditos”, explica.

“Quem ganha é o texto”

Vencedor na categoria Romance em 2012, Alexandre Vidal Porto diz que a premiação significou um impulso em sua carreira como escritor e o apresentou a outros públicos. “Como Sergio Y vai à América foi distribuído em bibliotecas e escolas, tenho recebido várias mensagens de leitores desse universo comentando algum aspecto da história.”

Praticamente desconhecida antes do concurso, Lila Maia conta que As maçãs de antes já recebeu críticas positivas de autores importantes como Affonso Romano de Sant’Anna, Marcelino Freire e Suzana Vargas. “O Prêmio Paraná tem essa característica muito importante de abrir portas para escritores que estão fora do circuito literário”, afirma.

José Roberto Torero, vencedor do Jabuti em 1995 por O Chalaça, destaca o fato de que a comissão julgadora do Prêmio Paraná avalia as obras inscritas sem saber quem são os participantes. “É muito melhor assim. Em outros prêmios, o nome do autor, da editora, os amigos e inimigos do autor e a cobertura da imprensa podem acabar influindo, para o bem ou para o mal. Aqui, não. Aqui quem ganha é o texto. E só ele é que importa

zp8497586rq

'Feirão de Livros' da UFPR traz exemplares com 50% de desconto em Curitiba

Por Toda Letra em 9 de abril de 2013

Começou hoje (09) o 4º Feirão de Livros organizado pela Editora UFPR. Durante três dias serão colocados à venda obras editadas pela UFPR e editoras universitárias de todo País. O evento está sendo realizado no hall do prédio da Administração do Centro Politécnico, das 9 às 20 horas.

'Feirão' segue até quinta-feira, dia 11. (Foto: Rodrigo Juste Duarte / UFPR / Divulgação)

Entre as editoras participantes estão a Unesp, Champagnat, Eduel, Exitus, Edusp, UFMG, UEPG, Cosac Naify, Unicamp, Centauro, Vozes, Boitempo, Senac, Instituto Piaget, Companhia das Letras, L&PM Pockt e Fiocruz. A condição para as editoras participarem do Feirão é de que todos os exemplares tenham 50% de desconto, mas será possível encontrar publicações com descontos até maiores, em torno de 90%.

No estande da Editora UFPR é possível encontrar revistas como o Espaço Geográfico, por R$1,00 e a série escritores paranaenses por R$2,00 cada exemplar. Há ainda os três volumes de Anatomia da Melancolia, de uma série de quatro, por pouco mais de R$70,00. O clássico da literatura alemã “Aventuroso Simplicíssimo” é uma das obras muito procuradas também. Mesmo as obras lançadas nos últimos meses já estão sendo vendidas abaixo do preço. O movimento tem sido grande na feira desde a abertura. Estudantes, professores e profissionais de diversas áreas já procuraram a UFPR para adquirir livros.

Segundo Gilberto Castro, diretor da Editora UFPR, o Feirão é aberto a toda a comunidade, com entrada gratuita e visa oportunizar a compra de livros a um preço mais acessível.

4º Feirão de Livros
Data: de 9 a 11 de Abril de 2013
Horário: das 9 às 20 horas
Local: hall do prédio de Administração do Centro Politécnico, Jardim das Américas


zp8497586rq

Curitiba surrealista

Por Toda Letra em 2 de abril de 2013

Susan Blum*

Dois anjinhos sorridentes passam por mim na altura da janela do Expresso.

Este fato me desperta o olhar. A curiosidade daquela menininha que perguntou ao pai o que o gato queria saber. Aquele. Cuja curiosidade o matou.

Percebo então que uma oncinha cruza com ursos polares, em um jardim multicolorido de rosas brancas, girassóis mais que amarelos, lilases, orquídeas, flores miúdas azuis. Este cruzar lento entre os animais, bem pacífico, intrigaria Darwin.

Variadas pizzas verdes, marrons, roxas – com ou sem a borda da catupiry – também rodopiam pelas ruas, fazendo inveja a qualquer político corrupto.

Já Kandinsky ficaria encantado com as bolinhas vermelhas, as listras azuis, os xadrezes verdes, os amarelos explosivos em tufos. Tudo em uma mistura geométrica desordenada.

Um ou outro preto ainda teima em aparecer. Funéreo, lúgubre, insalubre, fúnebre, para nos fazer lembrar da Curitiba provinciana.

Só não vi nenhum branco. Claro! Puro e virginal? Nos dias de hoje? Nem pensar!

Mas… espere! Quase isso. Olha lá! Sinto como se tivesse penetrado na tela de Meia-noite em Paris. Sim. Paris. Século XIX.

É. A chuva em Curitiba nunca mais será a mesma!

*Susan Blum Pessôa de Moura, formada em Psicologia (PUCPR – 86) e em Letras (UFPR – 2003). Mestre em estudos literários (UFPR – 2004). Possui publicações acadêmicas em revistas literárias como Fragmentos (UFSC), Letras (UFPR), Magma (USP) e Alpha (Unipam). Autora do livro de contos Novelos Nada Exemplares (2010) e participante da coletânea de contos (de autores paranaenses) Então, é isso? (2012). Professora da Universidade Positivo, pesquisadora no Grupo de Estudos sobre o espaço (UFPR) desde seu início, em 1999, ministra cursos de criação literária no CELIN da UFPR (desde 2008) e escreve mensalmente para a Toda Letra.

zp8497586rq

Fundação Cultural lança edital para doação de livros para as Tubotecas

Por Toda Letra em 1 de abril de 2013

A Fundação Cultural de Curitiba lançou edital de chamamento público aos interessados em doar grande quantidade de livros para as Tubotecas. Os grandes doadores – pessoas físicas ou jurídicas – terão como contrapartida a divulgação publicitária de seus nomes ou logomarcas. Quem doar acima de mil exemplares terá o seu nome como patrocinador do projeto divulgado no site da Fundação Cultural de Curitiba, no link “Tuboteca”. Quem doar acima de cinco mil exemplares terá direito também a inserir o seu nome ou logomarca na parte interna da capa dos livros com a expressão “Apoio Cultural”.

Obras já estão disponíveis desde o aniversário de Curitiba para empréstimo; agora, é possível fazer doação de material. (Foto: Alice Rodrigues)

Serão aceitas doações de livros de contos, crônicas, romances, poesias, quadrinhos infantil e infanto-juvenil, similares e livros de difusão de ciência e história. Não serão aceitos livros didáticos, técnicos, religiosos, jornais e revistas de assuntos gerais ou de notícias, manuais, guias, enciclopédias, bem como qualquer material com teor ofensivo, discriminatório ou pornográfico. Os livros devem contemplar, preferencialmente, autores curitibanos e paranaenses, e devem estar em bom estado de conservação.

As propostas de doações poderão ser entregues até 15 de novembro de 2013. A análise das doações e a seleção dos livros serão feitas por uma equipe técnica da área de literatura da Fundação Cultural. O edital nº 041/2013, com as regras para doação e demais informações, está disponível neste site (clique aqui).

O projeto das “Tubotecas” consiste na instalação de uma pequena biblioteca no interior das estações-tubo, disponibilizando para os usuários do transporte coletivo de Curitiba livros que podem ser emprestados, sem custo e sem necessidade de fazer cadastro. A iniciativa da Prefeitura, desenvolvida pela Fundação Cultura de Curitiba, Ippuc e Urbs, tem o objetivo de incentivar o hábito da leitura. A primeira Tuboteca foi inaugurada pelo prefeito Gustavo Fruet na última quinta-feira (28), numa das estações-tubo da Praça Rui Barbosa. O projeto-piloto prevê a instalação de mais nove unidades.

As informações são da Fundação Cultural. 

José Castello coordena Oficina de Romance na BPP

Por Toda Letra em 28 de março de 2013

O escritor e crítico literário José Castello é o convidado da primeira edição de 2013 das Oficinas de Criação Literária da Biblioteca Pública do Paraná (BPP). Entre os dias 9 e 11 de abril, Castello falará sobre o romance, abordando e debatendo clássicos brasileiros desse gênero literário como Lavoura arcaica (Raduan Nassar), Água viva (Clarice Lispector) e Solidão continental (João Gilberto Noll).

O escritor e crítico literário José Castello é o convidado da primeira edição de 2013 das Oficinas de Criação Literária da Biblioteca Pública do Paraná. (Foto: Guilherme Pupo/Divulgação).

As inscrições são gratuitas e podem ser feitas até o dia 5 de abril, pelo e-mail oficina@bpp.pr.gpv.br. Os candidatos devem enviar um breve currículo e um texto de ficção (conto ou trecho de romance). Os escritores Fabrício Corsaletti (Poesia), Antônio Torres (Crônica) e Marcelino Freire (Narrativa Experimental) estão entre os próximos convidados das oficinas.

O escritor

Nascido no Rio de Janeiro, José Castello é graduado em Jornalismo. Um dos críticos mais respeitados do país, publicou em veículos como Jornal do Brasil, Istoé e O Estado de São Paulo. Vive em Curitiba desde 1994.

Como escritor, percorreu diversos estilos, da crônica ao ensaio biográfico. Recebeu o Prêmio Jabuti duas vezes — em 1994, pela biografia Vinicius de Moraes: O Poeta da Paixão, e em 2011, pelo romance Ribamar. Atualmente, Castello escreve para o jornal O Globo.

Oficina BPP de Criação Literária

Poesia: Fabrício Corsaletti (14 a 16 de maio)
Infantojuvenil: Ricardo Azevedo (11 a 14 de junho)
Crítica Literária: Luis Augusto Fischer (10 a 12 de julho)
Crônica: Antônio Torres (13 a 15 de agosto)
Narrativa experimental: Marcelino Freire (10 a 12 de setembro)
Jornalismo Cultural: Marcos Flamínio (9 a 11 de outubro)
Conto: Antonio Carlos Viana (12 a 14 novembro)

Serviço

Oficina BPP de Criação Literária – Romance, com José Castello.

Dias 9, 10 e 11 de abril, das 14h às 18h.

Inscrições: até 5 de abril, pelo e-mail oficina@bpp.pr.gov.br

Inscrições gratuitas. Vagas limitadas.


Um Escritor na Biblioteca recebe Ignácio de Loyola Brandão

Por Toda Letra em 26 de março de 2013

Personalidade influente da cultura brasileira, Ignácio de Loyola Brandão abre a temporada 2013 do projeto “Um Escritor na Biblioteca”. O encontro acontece no dia 3 de abril, a partir das 19 horas, no Auditório Paul Garfunkel, da Biblioteca Pública do Paraná. Ao longo do ano, a BPP receberá mais sete autores para o bate-papo. A entrada é franca.

Ignácio de Loyola Brandão é um dos mais prolíficos autores brasileiros (Foto: IMS)

A prosa de Loyola Brandão transita por diferentes estilos. Um dos mais prolíficos autores em atividade no Brasil, o escritor já publicou romances, contos, biografias e relatos sobre viagens, além de obras infantojuvenis. A conversa será mediada pelo escritor e jornalista Luís Henrique Pellanda.

Nascido em 1936, em Araraquara, Loyola Brandão publicou mais de 40 livros, entre os quais Não verás país nenhum,Zero e Bebel que a cidade comeu. O autor venceu o prêmio Jabuti duas vezes. Vários de seus livros foram traduzidos para outras línguas, entre elas o italiano, inglês e alemão. Atualmente, ele é cronista no jornal O Estado de S.Paulo.

O projeto

“Um Escritor na Biblioteca” é a reedição do projeto homônimo que aconteceu na década de 1980, no qual os convidados falam sobre leitura, trajetória literária e assuntos relacionados ao universo do livro. A proposta foi retomada em 2011 com o objetivo de reafirmar o importante papel da BPP na formação de novos leitores.

Em dois anos, quase duas dezenas de escritores passaram pelo auditório da BPP. Nomes como Milton Hatoum,Sérgio Sant’AnnaJoca Reiners TerronLuiz RuffatoReinaldo MoraesMarçal AquinoAntônio TorresElvira Vigna e João Gilberto Noll participaram do evento, falando de suas carreiras e obras e compartilhando com o público suas trajetórias como leitores.

As conversas também são transcritas, editadas e publicadas no Cândido, jornal de literatura da BPP. O segundo encontro de 2013, marcado para o dia 8 de maio, traz o escritor Roberto Gomes.

Agenda

“Um Escritor na Biblioteca” — Ignácio de Loyola Brandão
Data: 3 de abril
Horário: 19 horas
Local: Auditório Paul Garfunkel, no segundo andar da Biblioteca Pública do Paraná (Rua Cândido Lopes, 133 — Centro — Curitiba/PR)
Mais informações: (41) 3221-4900 www.bpp.pr.gov.br
Entrada Franca.

Melhor romance em língua portuguesa receberá R$ 150 mil

Por Toda Letra em 4 de março de 2013

Uma das mais prestigiadas distinções da cena literária brasileirao Prêmio Passo Fundo Zaffari & Bourbon de Literatura inscreve para a oitava edição até o dia 17 de junho. O concurso é destinado ao melhor romance em língua portuguesa publicado nos últimos dois anos, no período entre junho de 2011 e 31 de maio de 2013. O vencedor do prêmio de R$ 150 mil será anunciado no dia 27 de agosto, na abertura da 15ª Jornada Nacional de Literatura de Passo Fundo, no Rio Grande do Sul.

Concurso é destinado ao melhor romance em língua portuguesa publicado nos últimos dois anos. (Foto: Divulgação).

Cada candidato pode inscrever apenas um romance e a inscrição poderá ser feita pelo próprio autor ou por sua editora, sendo efetivada mediante a entrega de seis exemplares de um mesmo romance, acompanhadas de breve currículo do autor e da ficha devidamente preenchida a um dos seguintes endereços: 8º Prêmio Passo Fundo Zaffari & Bourbon de Literatura – Bourbon Shopping de Passo Fundo – Central de Atendimento – Av. Brasil Leste, 200, CEP 99050-000, Passo Fundo – RS; ou então para 15ª Jornada Nacional de Literatura – 8º Prêmio Passo Fundo Zaffari & Bourbon de Literatura – Universidade de Passo Fundo – Campus I – BR 285 – Bairro São José, Passo Fundo. O CEP é 99052-900. Para os trabalhos remetidos pelo correio, a data de postagem será considerada como a data de inscrição.

O prêmio
Além de escritores brasileiros, o Prêmio Passo Fundo Zaffari & Bourbon de Literatura tradicionalmente recebe obras de autores de outros países de língua portuguesa, como Moçambique e Portugal. Instituído a partir de 1999, o prêmio foi criado pela Prefeitura Municipal de Passo Fundo por meio da Lei nº 3.366, de 28 de agosto de 1998. É uma parceria entre o poder público e a iniciativa privada, tendo como finalidade promover a cultura e homenagear os melhores romancistas contemporâneos de língua portuguesa, além de estimular a leitura de suas obras e o debate crítico sobre elas.

Na primeira edição, o prêmio foi conquistado por Sinval Medina, com a obra Tratado da altura das estrelas. Na seguinte, em 2001, dois autores dividiram a premiação: Antônio Torres (Meu querido canibal) e Salim Miguel (Nur na escuridão). O Prêmio teve ainda como vencedores Plínio Cabral – 3ª edição, 2003, com o livro O riso da agonia; Chico Buarque de Hollanda – 4ª edição, 2005, com o romance Budapeste; Mia Couto – 5ª edição, 2007, com a obra O outro pé da sereia; Cristovão Tezza – 6ª edição, com o livro O filho eterno; e na última edição João Almino com o livro Cidade livre.

Jornada de Literatura
A 15ª Jornada Nacional de Literatura de Passo Fundo tem como tema “Leituras jovens do mundo”. A realização da movimentação cultural é da UPF em parceria com a Prefeitura e com apoio de empresas e órgãos públicos. Informações sobre o prêmio podem ser obtidas no portal www.jornadasliterarias.upf.br, pelo e-mail jornada@upf.br ou pelo telefone (54) 3316 8368.