Blog

Arquivo da Categoria ‘Curiosidades’

Gibiteca da Biblioteca Pública do Paraná passa por reestruturação

Por Toda Letra em 22 de abril de 2013

Referência para os fãs de histórias quadrinhos em Curitiba, a Gibiteca da Biblioteca Pública do Paraná passa por um processo de reestruturação. Desde julho de 2012, a BPP iniciou uma parceria com o estúdio de quadrinhos UCM Comics, que trabalha na renovação e organização do acervo, para oferecer um espaço mais completo, dinâmico e agradável ao público.

(Foto: Divulgação/BPP).

O primeiro passo do projeto foi a catalogação do acervo, que facilitou o acesso e a visualização de todo o material disponível na Gibiteca, cujo espaço físico também vem sendo repensado. “Depois de organizarmos as prateleiras, começamos a catalogação, um trabalho bastante extenso. Antes de concluirmos essa parte, mais exemplares surgiram: alguns de origem da reserva técnica e outros seis mil que vieram de uma doação anônima”, explica Fernando Rubel, um dos responsáveis pelo trabalho.

Segundo Rubel, a parceria entre a UCM Comics e a BPP também busca transformar a Gibiteca em um espaço que disponibilize produções paranaenses. “A ideia é que, quando se falar em quadrinhos locais, os interessados sempre pensem primeiro na Biblioteca Pública”, explica.

Eventos

Outro objetivo do projeto é fazer da Gibiteca um espaço de convivência. Em 2012, foram realizados dois eventos para aproximar artistas e o público: um encontro entre a cartunista Priscila Vieira e a Coordenadora da Gibiteca de Curitiba, Maristela Garcia, e um bate-papo com o quadrinista Denilson Santtos e o escritor André Vianco., que falaram sobre a adaptação para os quadrinhos o livro O turno da noite, de Vianco.

Em 2013, acontece o projeto mensal “RPG na BPP”, uma tarde dedicada aos fãs do jogo. A primeira edição aconteceu em 16 de março e a segunda está marcada para o próximo dia 20 de abril. Para participar, os interessados devem imprimir um “passe livre”, disponível no site www.uccomics.com, que deve ser apresentado na portaria da BPP. Não é necessário saber jogar.

zp8497586rq

Curiosidade: Carrasco x “Carrasca”

Por Toda Letra em 25 de fevereiro de 2013

Você sabia que a palavra “carrasca” não existe? Segundo a consultora de Língua Portuguesa, Ana Paula Mira, a palavra carrasco é substantivo, não adjetivo. Vem do nome de um carrasco português, que tinha o sobrenome Carrasco. No VOLP, o adjetivo que se refere ao substantivo carrasco é carrascoso ou carrascosa.

Portanto, a reportagem da Folha de S. Paulo errou feio!

Samba enredo: Língua Portuguesa

Por Toda Letra em 12 de fevereiro de 2013

Você sabia que em 2007 a Flor do Lácio foi tema de um samba enredo no carnaval carioca? A Estação Primeira de Mangueira homenageou a nossa bela Língua Portuguesa.

Quem sou eu?
Tenho a mais bela maneira de expressar
Sou Mangueira… uma poesia singular
Fui ao Lácio e nos meus versos canto a última flor
Que espalhou por vários continentes
Um manancial de amor
Caravelas ao mar partiram
Por destino encontraram o Brasil…
Nos trazendo a maior riqueza
A nossa Língua Portuguesa
Se misturou com tupi tupinambrasileirou
Mais tarde o canto do negro ec

oou
Assim a língua se modificou

Eu vou nos versos de Camões
Às folhas secas caídas de Mangueira bis
É chama eterna dom da criação
Que fala ao pulsar do coração

Cantando eu vou
Do Oiapoque ao Chuí ouvir
A minha pátria é minha língua
Idolatrada obra-prima te faço imortal
Salve… poetas e compositores
Salve também os escritores
Que enriqueceram a tua história
Ó meu Brasil…
Dos filhos deste solo és mãe gentil
Hoje a herança portuguesa nos conduz
A Estação da Luz!

Vem no vira da Mangueira vem sambar
Meu idioma tem o dom de transformar bis
Faz do palácio do samba uma Casa Portuguesa
É uma Casa Portuguesa com certeza

zp8497586rq

Como surgiu a palavra Natal?

Por Toda Letra em 24 de dezembro de 2012

Hoje é véspera de Natal! Por isso, o post de hoje é especial. Você vai saber como surgiu a palavra Natal!

 

A palavra original – natale – foi se transformando nos mais diversos idiomas até adquirir a forma atual (Natal) no Brasil, que significa nascimento, fazendo alusão ao nascimento de Jesus Cristo.

Do latim natale, forma reduzida de natalis dies, dia do nascimento – de nataliciu, relativo ao dia do nascimento, veio o português natalício. Em inglês, Christmas foi formado das palavras latinas Christ (Cristo) e mass (a festa da eucaristia). Também do latim natale veio o francês, Noël, que originou Père Noël (daí o nosso Papai Noel), figura surgida no século XIX, correspondente ao Saint Nicolas do Norte da França e ao anglo-saxônico Santa Claus (Claus veio do alemão Klass, forma reduzida de Niklaas - Nicholas em alemão).

Em espanhol, Navidad é a redução de nadividad, do latim nativitate (em português, existe a palavra natividade, nascimento de Cristo e dos santos).

Fonte: Pimenta, Reinaldo. A casa da mãe Joana: Rio de Janeiro: Campus, 2002.

Biblioteca Pública do Paraná será reformada e revitalizada

Por Toda Letra em 22 de novembro de 2012

O projeto de revitalização da Biblioteca Pública do Paraná foi apresentado nesta semana pelo arquiteto Manoel Coelho em Curitiba. O encontro também contou com a presença do Secretário de Estado da Cultura, Paulino Viapiana, e do diretor da BPP, Rogério Pereira.

Responsável por projetos de outras importantes bibliotecas de Curitiba (entre elas a da PUC PR e da Universidade Positivo, bem avaliada pelo jornal Gazeta do Povo em reportagem nesta semana), Coelho falou sobre a reformulação do prédio da BPP, que inclui — entre outras mudanças — o fechamento das laterais do prédio e a troca de todo o mobiliário das salas. Com o novo projeto, outra importante mudança se dará no Hall Térreo da Biblioteca, que abrigará um café e um espaço maior para exposições e lançamento de livros. Além disso, o mobiliário das salas será trocado por peças modernas, com poltronas e pufes à disposição em todos os ambientes do prédio — o que vai proporcionar mais conforto ao público. A seção infantil, que já passou por uma reformulação, também terá novos equipamentos.

Projeção de como ficará o hall de acesso principal da BPP após a reforma (Foto: Divulgação).

“Não haverá interferência na estrutura do prédio, feito pelo engenheiro Romeu Paulo da Costa, e que é exemplo maravilhoso do modernismo. No entanto, alguns espaços bastante amplos estão subvalorizados. O projeto visa também fazer um rearranjo das salas, e viabilizar acessibilidade”, diz Coelho.

O secretário de Estado da Cultura do Paraná (Seec), Paulino Viapiana, comentou que a Biblioteca Pública vem cumprindo a missão de difusão do conhecimento, por meio de diversas ações e projetos. “No entanto, chegou o momento de modernizar e atualizar tecnologicamente o prédio, o que ajudará ainda mais na promoção do conhecimento”, disse Viapiana.

Projeção de como ficará a área de exposições da BPP após a reforma (Foto: Divulgação).

Rogério Pereira, diretor da BPP, lembrou que o projeto é mais um passo para que a Biblioteca Pública do Paraná entre em sintonia com o seu tempo. “Neste ano de 2012, já fizemos a reforma das redes lógica e elétrica do prédio, que possibilitou a implementação da rede wireless. O projeto apresentado pelo arquiteto Manoel Coelho vai possibilitar que a Biblioteca seja um espaço de convivência, que dará mais conforto a todos os nossos usuários, sejam os que buscam o nosso grande acervo ou aqueles que participam de nossas atividades culturais”, afirmou Pereira.

Desde 1954

Inaugurado em 19 de dezembro de 1954, o atual prédio da rua Cândido Lopes foi a primeira obra a ficar pronta a tempo das comemorações do Centenário da Emancipação Política do Paraná. Em 18 de dezembro de 2003, o prédio foi tombado como patrimônio cultural. “Para mim, foi muito gratificante realizar este projeto porque fui um frequentador assíduo da Biblioteca Pública do Paraná. Cheguei em Curitiba em 1960. Entrei na primeira turma de Arquitetura da Universidade Federal do Paraná, em 1962. Estou muito orgulhoso de participar dessa revitalização”, disse o arquiteto Manoel Coelho.


20 de novembro: Zumbi revive

Por Toda Letra em 20 de novembro de 2012

Aline Reis*

especial para Toda Letra

Tem sido assídua na rede a reprodução de um vídeo no qual o ator Morgan Freeman explica “o que é racismo”. O nome do vídeo gera uma expectativa de uma explanação sólida e explicativa sobre o que seria racismo. O ator, no entanto, se posiciona contra o ‘Novembro Negro’ e em nenhum momento diz o que é o racismo.

Por outro lado a quantidade de replicação do vídeo foi muito grande. Inclusive com elogios ao posicionamento do ator. O Novembro Negro é um momento de reflexão, reafirmação e luta para o Movimento Negro. No Brasil temos mais destaque na data de hoje (20 de novembro) dia que é lembrada a morte de Zumbi dos Palmares, líder do maior quilombo da história brasileira.

Vamos às explicações, então. O racismo é “uma doutrina eu sustenta a superioridade de certas raças” (FERREIRA 2010). Então, quando você diz “serviço de preto” como se esse fosse inferior às outras etnias, você está sendo racista.

No mesmo sentido temos a palavra preconceito que etimologicamente é entendida como “ideia pré-concebida”. O papel dos movimentos sociais de negritude, além de tensionar o governo para a instituição da data e divulgação do Novembro Negro é destruir o preconceito e mostrar o que é racismo. Assim, Freeman foi infeliz nas declarações.

Ninguém quer falar de racismo porque racismo dói dos dois lados. Só que se Martin Luther King, Nelson Mandela, Abdias do Nascimento e tantos outros não tivessem falado de racismo os negros e negras ainda seriam preconcebidos como inferiores.

Em 20 de novembro Zumbi se revive nas palestras, nas entrevistas, na capoeira, nas religiões… Em novembro as pessoas enxergam – mesmo sem querer – seu racismo. Mas é só durante esse período, por agenda jornalística, que se abrem espaços nas tevês, rádios, portais de internet e jornais. Aí está a importância no Novembro Negro. É aí que Zumbi, Maria Nilza, Eduardo Borgh, Luiz Carlos Paixão e todos os afro-brasileiros têm a oportunidade de (se) ver.

O 13 de maio traz o fim da escravidão, mas o 20 de novembro mostra o processo de resistência. A data não é feriado, embora dias emblemáticos vividos por outros heróis da história Brasileira sejam comemorados, como Tiradentes. Ainda há um longo percurso para seguirmos, mas o novembro continuará negro enquanto for preciso relembrar que somos sim diferentes, mas não inferiores.

Exposição à internet pode deixar menos inteligente e piorar a escrita

Por Toda Letra em 27 de setembro de 2012

Embora aclamada por alguns como a última salvação da humanidade, a internet é vista por uma pespectiva bem diferente nas obras do autor Nicholas Carr. Em Is Google Making Us Stupids? e The Shallows: What the Internet Is Doing to Our Brai

ns, Carr defende que a revolução tecnológica, cultural e biológica que estamos vivendo está nos deixando cada vez mais distantes dos livros e influenciando, inclusive, nossos cérebros. Isso aconteceria porque o consumo do que se faz na internet está cada vez mais superficial.

Além disso, com a internet cada vez mais difundida ao redor mundo e o uso frequente de celulares para enviar mensagens, a interatividade entre as pessoas e o acesso à informação estão crescendo num ritmo acelerado. Os jovens têm passado boa parte de seu tempo em frente ao computador ou teclando seus celulares, principalmente para usar as redes sociais.Um estudo feito pela Wake Forest University e pela Penn State University, ambas nos EUA, mostrou que o medo que os pais têm de os filhos serem prejudicados pela comunicação eletrônica é justificável. Alunos estão cometendo constantemente erros de ortografia e 11% dos entrevistados admitiram que a escrita acadêmica é prejudicada pelos hábitos adquiridos na internet.

Demonizar o meio

Segundo Ana Paula Mira, consultora em Língua Portuguesa e diretora geral da Toda Letra, um dos erros mais comuns é “demonizar” o meio. O problema não é o meio, mas a formação das pessoas que têm acesso a ele. “É correto dizer que o uso excessivo da internet afeta mais aquelas pessoas que não leem, que não utilizam outras formas de entretenimento que não seja a internet. Mas também há crianças, jovens, adultos e idosos sem formação adequada. Portanto, isso é uma questão de como você construiu sua base cultural e de conhecimento, principalmente de língua”, afirma. Além disso, as pessoas podem fazer com a que a influência da internet na escrita seja menor. “É preciso utilizar outros veículos de informação e de entretenimento, e usar melhor a própria internet. É estarrecedor ver como, hoje, muita gente se informa apenas pelo que seus amigos compartilham no Facebook, sendo que temos à disposição uma mídia que tem o mundo ao nosso alcance”, coloca.

A Toda Letra auxilia as pessoas com dificuldades na escrita através de de cursos personalizados e com exemplos próximos de nossos alunos. “A ideia é perceber que isso é mais comum do que se imagina. Nos nossos cursos, procuramos mostrar como a linguagem oral migrou para a escrita, e como a escrita na internet é uma terceira via híbrida desses dois registros”, encerra Ana Mira.

 

Quarta do Erro: Médicas com crase!

Por Toda Letra em 12 de setembro de 2012

Olhem a foto enviada para nós pela jornalista Rosiane Correia de Freitas! Ela comenta: “mando uma fotinha pra vocês mostrarem a mais nova inovação da prefeitura de Curitiba: mèdicas com crase”.

buy cheap cialis

ds/2012/09/foto-1-erro.jpg”>

E se você tiver fotos com erros de Língua Portuguesa, mande pra gente!

Cidade de Araucária espalha minibibliotecas para incentivar a leitura

Por Toda Letra em 10 de setembro de 2012

A Secretaria Municipal de Cultura e Turismo de Araucária, na Região Metropolitana de Curitiba, começou a espalhar minibibliotecas pelos principais pontos de circulação da cidade com o objetivo de incentivar a literatura. São pequenas casas, com acerv

propecia price

o aproximado de 30 títulos, distribuídas em regiões que têm grande circulação de pessoas. O objetivo principal das minibibliotecas é incentivar o gosto pela leitura através da proximidade dos livros com os araucarienses.

Elas estão disponíveis na Praça João Paulo II (em frente à Câmara Municipal), na Praça Dr. Vicente Machado e na Praça São Vicente de Paulo. A partir da próxima semana estarão também na Unidade de Saúde do Tupy e no Núcleo Integrado de Saúde (NIS III). A ideia do projeto é que os livros circulem pela cidade e sejam lidos e relidos por várias pessoas, não sendo de domínio próprio, pois devem ser recolocados nos locais em que foram emprestados, porém sem a burocracia habitual de preenchimento de fichas ou cadastros.

Cada minibiblioteca tem um acervo aproximado de 30 títulos, sendo 10 infanto-juvenil, 10 infantil e 10 de literatura adulta. Os acervos são verificados a cada 15 dias por funcionários da Divisão de Literatura, para avaliação dos pontos e possível renovação e reposição de acervo. O empréstimo pode ser feito por qualquer pessoa, desde que respeite as dicas anexadas nas pequenas casas.

A Divisão de Literatura aceita doações de livros para as minibibliotecas. Interessados entrar em contato com a Secretaria Municipal de Cultura e Turismo através do telefone (41) 3905-6065.

As 11 bibliotecas mais incríveis do mundo

Por Toda Letra em 7 de agosto de 2012

Uma simples visita à biblioteca pode se transformar em uma verdadeira viagem no tempo e espaço. As mais antigas, datadas no século XVI, estão em universidades tradicionais da Europa e contêm, entre outros materiais, coleções reunidas durante séculos por famílias de intelectuais e o Livro de Kells, o mais antigo do mundo.

Trinity College Library

biblioteca está localizada na capital da Irlanda, Dublin. É a maior do país, composta por vários edifícios diferentes que abrigam mais de cinco milhões de volumes. O prédio mais antigo, construído em 1592, possui a Early Printed Books Reading Room, que acolhe livros raros e de edição limitada, e a Manuscripts Reading Room, com manuscritos. A obra mais famosa da biblioteca é o Livro de Kells, um manuscrito datado do século VI.

Biblioteca Geral

Biblioteca Geral pertence à Universidade de Coimbra, em Portugal. Foi fundada em 1537 com o estabelecimento da universidade, e reconstruída em 1725. A menor e mais distinta área da biblioteca é a Biblioteca Joanina, um ícone de arquitetura e beleza. A biblioteca abriga cerca de 250 mil volumes, que abrangem áreas da medicina a filosofia. Por ter sido construída e decorada completamente por artistas portugueses, é um dos monumentos nacionais mais valorizados pelo país ibérico.

George Peabody Library

Localizada na Johns Hopkins University, em Baltimore, nos Estados Unidos, a biblioteca foi fundada em 1852 e hoje possui mais de 300 mil volumes em seu acervo. Os livros datam desde o século XIX e tratam de assuntos como religião, arte britânica, arquitetura, história, literatura, viagem e linguagens de romance. Já foi descrita como a “catedral dos livros” e é referência da arquitetura neoclássica.

 Harvard Library

Esta não é, necessariamente, a biblioteca mais linda do mundo, mas com certeza é uma das mais incríveis. A Harvard Library é o conjunto de bibliotecas mais antigo dos Estados Unidos, com seu início marcado no ano de 1638, antes mesmo que os EUA fossem considerados uma nação independente. Contém a maior coleção privada de livros do mundo e a quarta maior coleção de livros no geral, com mais de 15 milhões de obras armazenadas. O maior e mais famoso edifício dessa biblioteca é o Widener Library, que abriga mais de três milhões de volumes, incluindo cópias do primeiro livro impresso, a Bíblia de Gutenberg.

Biblioteca Nacional do Brasil

Biblioteca Nacional do Brasil, também conhecida como Fundação Biblioteca Nacional, foi fundada em 1810 como Real Biblioteca. Passou mais tarde a se chamar Biblioteca Imperial e Pública da Corte e, desde 1876, chama-se Biblioteca Nacional. Ela abriga o patrimônio bibliográfico e documental do Brasil e é considerada pela UNESCO a sétima maior biblioteca do mundo, sendo atualmente a maior da América Latina. Fica localizada na cidade de Rio de Janeiro e possui mais de nove milhões de itens em seu acervo.

 Library of Congress

A maior biblioteca do mundo fica localizada Washington, nos Estados Unidos, e possui em seu acervo a incrível marca de mais de 144 milhões de itens, em mais de 470 idiomas. É a instituição cultural mais antiga dos Estados Unidos e a biblioteca de pesquisa do Congresso norte-americano. A Library of Congress foi fundada em 1800. Em 2009 seu acervo foi contado e os resultados indicam a grandiosidade dos números: mais de 32 milhões de livros catalogados, mais de 63 milhões de manuscritos, três milhões de gravações de áudio, mais de cinco milhões de mapas, 16 milhões de microformas e a maior coleção de livros raros da América do Norte, incluindo uma das quatro cópias restantes da Bíblia de Gutenberg em papel velino.

 Antiga Biblioteca de Alexandria

Mesmo não existindo mais, a Biblioteca de Alexandria vale ser citada por seu valor histórico e cultural. Acredita-se que sua fundação aconteceu no início do século III a.C. durante o reinado do faraó Ptolemeu I Sóter. A biblioteca funcionava como um centro de estudos e abrigava jardins, salas de jantar, salas de leitura, anfiteatros de aula com capacidade para cinco mil pessoas e salas de reuniões. Seu modelo arquitetônico ainda serve de exemplo para universidades atuais. As razões para sua destruição são motivos de controvérsias entre os historiadores desde o século XVIII, mas as principais teorias atribuem seu arrasamento ao governador provincial do Egito, Amr ibn al-As, depois da conquista do país em 642 a.C ou a um incêndio causado por Júlio César.

 Beinecke Rare Book and Manuscript Library

Presenteada pela família Beinecke à Universidade de Yale, nos Estados Unidos, em 1963, a biblioteca é o maior centro de livros e manuscritos raros do mundo. Seu grande destaque é a arquitetura, que se destaca de outras bibliotecas mais tradicionais por ter um forte design moderno com linhas limpas e aparência altamente funcional. A biblioteca é iluminada pela luz artificial e exterior por meio de janelas feitas de mármore translúcido, que protegem as obras dos danos causados pela luz solar sem deixar o ambiente muito escuro ou fechado.

Radcliffe Reading Rooms

Faz parte da renomada Bodleian Library, da Universidade de Oxford, no Reino Unido, e é a segunda maior do país. Sua construção foi completada em 1749. Em1927, o edifício foi transformado em ambiente de leitura para obras da língua inglesa, história e teologia.

Biblioteca PIO IX

Localizada em Roma, na Itália, a biblioteca pertence à Pontifícia Universidade Lateranense, conhecida como a “Universidade do Papa”, já que é conduzida diretamente pela autoridade do papa católico. O edifício principal foi fundado em 1854 reunindo diversas outras bibliotecas menores espalhadas pela cidade. Essas coleções foram transferidas para um novo e moderno edifício em 2007, e incluem diversas coleções papais privadas e mais de 400 mil volumes raros e antigos.

 Biblioteca Filológica

Localizada na capital alemã, Berlin, a biblioteca faz parte da Free University of Berlin e dedica-se a filologia, o estudo de determinada língua, literatura, cultura ou civilização sob uma visão histórica, a partir de documentos escritos. Foi inaugurada em 2005 com um acervo de mais de 700 mil volumes. Conhecida como o “cérebro de Berlin”, seu destaque fica para o aspecto arquitetônico, já que foi desenhada para parecer um cérebro humano, com incríveis painéis de vidro em praticamente toda a sua superfície externa.

Fonte: Universia Brasil