Blog

Primeiros Passos

Por Toda Letra em 9 de maio de 2014

Por Susan Blum*

Foto: Chara Rial Blog

erste Schritte

Abro a porta e a vejo. Sentada no sofá. Ela me vê e ri.

Vejo que ela se levanta sozinha e vem andando até mim. Andando! Sozinha!

Os primeiros passos!

Os primeiros passos sem nenhum apoio!

Sem nenhuma ajuda.

Fico apreensiva, mas ao mesmo tempo MUITO surpresa e alegre!

Que delícia!

O sorriso dela corre até mim. Que felicidade.

Sinto um amor enorme por este serzinho frágil que tem uma relação de vidas comigo. Sinto muita ternura e muita felicidade. Vou até ela e a abraço forte.

O amor explode precipitando-se pelo ambiente.

Sinto o aligeirar de lembranças e recordações.

Depois de um mês difícil com altos e baixos. Após a cirurgia, as complicações, as visitas ao hospital, os cuidados extremos de todos da família.

Ah… os primeiros passos. Um símbolo da busca da independência.

Independência que é conquistada com tanta luta, esforço e sacrifício.

Assim, compreendo quando ela fica chateada quando queremos ajudá-la em tudo. Mas ela tem que entender que é uma espécie de retorno de amor.

Quero dar a ela – de forma mínima – um pouco de tudo que ela fez por mim.

As intermináveis noites e madrugadas, com a filha no colo, sem conseguir respirar por causa da maldita bronquite asmática. A mãe carregando a filha e andando pela casa, para ajudar a entrar o ar.

Como eu queria pegar ela no colo e sair por aí com ela, para lhe dar um pouco de novos ares.

Minha mãezinha querida está andando sem o andador!

Compreendo então porque quero tanto ajudá-la. Fico imaginando a alegria dela com os meus primeiros passos. E hoje, o pequeno grande milagre: os primeiros passos.

E o primeiro “passeio” que não foi para ir ao hospital ou a exames médicos. Ela me levou para a faculdade. E me senti como a Susi pequena que era levada pela mãe até o Grupo Escolar Tiradentes.

Quem é mãe? Quem é filha? Apenas conceitos. Somos eu, ela e minha irmã.

O clã feminino da família. O coração pulsante da base familiar! Meus amores.

*Susan Blum Pessôa de Moura, formada em Psicologia (PUCPR – 86) e em Letras (UFPR – 2003). Mestre em estudos literários (UFPR – 2004). Possui publicações acadêmicas em revistas literárias como Fragmentos (UFSC), Letras (UFPR), Magma (USP) e Alpha (Unipam). Autora do livro de contos Novelos Nada Exemplares (2010) e participante da coletânea de contos (de autores paranaenses) Então, é isso? (2012). Professora da Universidade Positivo, pesquisadora no Grupo de Estudos sobre o espaço (UFPR) desde seu início, em 1999, ministra cursos de criação literária no CELIN da UFPR (desde 2008) e escreve mensalmente para a Toda Letra.

2 comentários para “Primeiros Passos”

  1. “cometário”: relativo a cometa, ex; “atividade cometária”, desprendimento das substâncias que formam a cauda na proximidade do Sol.

    No mais, meus cumprimentos pela escolha do texto de homenagem, me fez acessar alguns conteúdos que estavam no inconsciente, associados aos últimos anos que minha mãe esteve conosco, quando também precisou dos meus cuidados. Chegava a sonhar que ela tinha o tamanho de um ursinho de pelúcia… Enfim, desconsiderando os pressupostos das teorias psicanalíticas, parabéns a todas as mães!

    • Susan Blum disse:

      Obrigada, Mario. pela visita, pela leitura e pelo comentário! Creio que todos nós passamos por isto. Sou grata pela mãe que tenho. Sou grata por tudo que ela fez por mim. Sou grata por ter chance de cuidar um pouco dela. Fico feliz que tenha acessado conteúdos de seu inconsciente.

Deixe um comentário



(Não será divulgado)