Blog

Arquivo de outubro de 2012

Sexta sem Dúvida: “Sem sombra de dúvidas” e “risco de morte”

Por Toda Letra em 26 de outubro de 2012

Hoje a Sexta Sem Dúvida é temática! A Luzimary Cavalheiro e o Jhoanderson Moreira escreveram para nós perguntando sobre duas expressões que causam dúvidas. A primeira é sobre a expressão “sem sombra de dúvidas” x “sem sobra de dúvidas” e a segunda sobre “risco de morte” x “risco de vida”. Vamos às perguntas e respostas de hoje!

A Luzimary Cavalheiro nos perguntou: “Sem sombra de dúvidas OU sem sobra de dúvidas”?

Luzimary, pelo que pesquisamos por aqui, a expressão é formada mesmo com a palavra “sombra”, para indicar que o assunto está claro. No Houaiss, inclusive, a palavra sombra tem esse sentido figurado da expressão: “… qualquer coisa que indique, mesmo remotamente, a existência ou possibilidade de (algo); indício, traço, sinal. Ex.: <sem s. de dúvida> <não há nem s. de reconciliação>”.

Já o Jhoanderson nos questionou: “Qual frase está correta: Corre risco de morte ou corre risco de vida? Os jornais antigamente falavam risco de morte, hoje usam risco de vida. Ou os dois estão corretos? ou depende da vida que a pessoa tinha. Se fosse pior é mais perigoso viver do que morrer?”

Boa pergunta, Jhoanderson! Não há consenso entre os gramáticos, até porque a expressão “risco de vida” não é um erro, visto que a ideia é o “risco de perder a vida”. No entanto, considerou-se por bem usar risco de morte, hoje amplamente difundido na mídia.

E você, tem alguma dúvida? Escreve para a gente! Basta enviar a sua pergunta pelo Facebook, Twitter ou postar nos comentários aí embaixo! Até a próxima!

Quarta do Erro: “Alcóol” Gel

Por Toda Letra em 24 de outubro de 2012

Olhem o flagra que registramos na rodoviária de Curitiba! O correto é álcool gel!

“Neologismos” e erros de concordância dão o tom do debate na RIC

Por Toda Letra em 23 de outubro de 2012

Falta de concordância, invenção de novas palavras e até palavras restritas ao uso oral da língua portuguesa. Essas e outras constatações surgiram depois de a Toda Letra analisar em suas redes sociais, em tempo real, o uso da língua portuguesa no discurso dos candidatos à Prefeitura de Curitiba, no debate de ontem à noite, na RIC TV Record.

No nervosismo de falar ao vivo e com a aproximação do dia da eleição, Gustavo Fruet e Ratinho Jr. derraparam em algumas questões gramaticais. O candidato do PSC inventou o “apoiamento” e o do PDT falou em “resolutividade”. Além disso, a concordância também foi equivocada na frase “quem vende a consciência não é eu”.

De uma maneira geral, os dois candidatos demonstraram em suas falas a pressão natural de estar ao vivo, diante de perguntas contundentes e da aproximação do domingo de eleição. Erros de concordância, principalmente com a falta de “S” ao final de verbos, além de uso inadequado de palavras restritas ao registro coloquial, como “descendo o cacete” e “falastrão”, mostraram que não é nada fácil falar bem e corretamente em uma situação de debate.
Em um balanço geral, Gustavo Fruet errou menos no português, mas com pouca vantagem.

A Toda Letra também vai analisar a participação dos candidatos no debate da RPC, na próxima sexta.

Agenda

Análise da Língua Portuguesa nos debates com os candidatos à Prefeitura de Curitiba

Quando: Sexta-feira, às 23h

Onde: Pelo Twitter Facebook

Quem analisa: Ana Paula Mira é jornalista, consultora em Língua Portuguesa, mestre em Administração e diretora geral da Toda Letra.

Quem vence o debate na Língua Portuguesa?

Por Toda Letra em 22 de outubro de 2012

E quem venceu o debate foi a Língua Portuguesa. Com uma abordagem diferente do debate, uma consultoria em Língua Portuguesa, em suas redes sociais, analisa a Língua Portuguesa utilizada pelos candidatos à Prefeitura de Curitiba na exposição de suas ideias.A exposição de ideias, como acontece em um debate, significa a utilização da norma culta da Língua Portuguesa, além de saber organizar o pensamento com lógica, coesão e coerência, para que a mensagem chegue certa ao destinatário, que é o eleitor/telespectador. Devido ao nervosismo, alguns tropeços podem até virar piada na internet, como foi o caso do “estrupo” dito pelo candidato Rafael Greca no último debate com candidatos à prefeitura de Curitiba no primeiro turno. Pode servir também para mostrar como se dá a organização lógica do pensamento de outro candidato. Gustavo Fruet, atual candidato à Prefeitura de Curitiba, costuma fazer algumas pausas para pontuar o discurso. “É o tempo que ele usa para pensar em como usar a língua. Isso exige raciocínio rápido”, explica Ana Paula Mira, consultora em Língua Portuguesa.No debate apresentado na noite de quinta-feira pela Band Curitiba, os candidatos Gustavo Fruet e Ratinho Júnior cometeram tropeços com relação à Língua Portuguesa, mas se saíram bem ao expor suas colocações finais. Ao fazer um balanço, a consultora em Língua Portuguesa, Ana Paula Mira, explica que Gustavo Fruet costuma cometer menos erros com relação à Língua Portuguesa. “No último debate do primeiro turno, exibido pela RPCTV, Gustavo ficou em primeiro lugar, tendo cometido pouquíssimos erros”, pontua a consultora.

O trabalho desenvolvido paralelamente à exibição pela TV do debate, nas redes sociais da empresa Toda Letra, foi destacado pela jornalista Roseli Abrão, em seu blog na última sexta-feira. Devido aos comentários extremamente positivos recebidos, o trabalho de análise será realizado novamente nos debates de hoje (segunda-feira, dia 22), na RIC TV, e na sexta-feira, dia 26, na RPCTV. “Lembramos que comentamos como uma consultoria de Língua Portuguesa. Somos apartidários nas nossas redes sociais”, destaca a consultora Ana Paula Mira.

Agenda

Análise da Língua Portuguesa nos debates com os candidatos à Prefeitura de Curitiba

Quando: Segunda-feira, dia 22, às 23h15 e Sexta-feira, às 23h

Onde: Pelo Twitter e Facebook

Quem analisa: Ana Paula Mira é jornalista, consultora em Língua Portuguesa, mestre em Administração e diretora geral da Toda Letra.

Jornal Cândido dedica edição a Helena Kolody

Por Toda Letra em 20 de outubro de 2012

A edição de outubro do jornal Cândido homenageia a poeta Helena Kolody, que este ano completaria 100 anos. Com uma tiragem de 10 mil exemplares, o periódico da Biblioteca Pública do Paraná dedica grande parte de suas páginas ao resgate e à difusão da literatura paranaense.

A 15ª edição do Cândido refaz o percurso da autora, com reportagens, depoimentos, poemas, ilustrações, fotos e um importante resgate da participação de Helena no projeto “Um escritor na Biblioteca”, realizado na Biblioteca Pública do Paraná em 1985. Um documento histórico que contou com a preciosa colaboração da poeta Adélia Woellner e dos familiares de Helena.

Sete anos após sua morte, Helena e sua obra seguem repercutindo no imaginário de leitores de várias gerações. Nascida em Cruz Machado, Helena passou a infância em Rio Negro e se fixou na capital paranaense. Foi professora por mais de 20 anos no Instituto de Educação do Paraná, estabeleceu diálogo com inúmeros interlocutores — de Andrade Muricy a Wilson Bueno — e foi eleita para a Academia Paranaense de Letras.

A edição também traz uma entrevista com Zuenir Ventura, um dos maiores jornalistas do país, que acaba de lançar o romance Sagrada família, um relato memorialístico em que os anos 1940 servem como pano de fundo.

Entre os inéditos, o experiente diretor e dramaturgo curitibano Edson Bueno aparece com o instigante conto “Apocalipse”, na seção “Em busca de Curitiba”.

O curitibano Roberto Muggiati contribui com “A teoria do iceberg”, conto que mistura os ensinamentos literários de Ernest Hemingway a uma história de amor trágica. Na poesia, Alexei Bueno faz uma bonita homenagem a Carlos Drummond de Andrade no poema “A outra visita”.

O jornal ainda revela as leituras de Gerald Thomas, na seção “Perfil do Leitor”, e a saga de O apanhador no campo de centeio, na seção “Making of”.

O Cândido é distribuído gratuitamente na Biblioteca Pública do Paraná e em diversos pontos de cultura de Curitiba. Também é enviado, via correio, a diversas partes do Brasil. É possível ler a versão online do jornal no seguinte endereço: www.candido.bpp.pr.gov.br  . O site também traz conteúdo exclusivo, como entrevistas e inéditos.

Autor paranaense inova ao disponibilizar livro premiado na internet

Por Toda Letra em 19 de outubro de 2012

O autor paranaense Rodrigo Domit, que reside atualmente no Rio de Janeiro, inovou ao lançar o seu livro “Colcha de Retalhos” na internet no dia 12 de outubro, em comemoração ao Dia Nacional da Leitura. Rodrigo disponibilizou a versão digital de seu livro, finalista do Prêmio SESC 2008, primeiro lugar do Prêmio Utopia 2010 e terceiro lugar do Concurso Internacional da União Brasileira de Escritores 2012, para leitura online ou download. O pagamento pela leitura da obra e a quantidade monetária devem ser decididos pelo leitor. Segundo Rodrigo, o livro é resultado de dois anos de pesquisa e de exercícios de criação com textos curtos – prosas e poesias. “Por conta disso ele apresenta essa variedade e transição de gêneros, temas, linguagens e estilos. Não consegui vislumbrar outro nome que não fosse este, bem representativo de como produzi e como vejo o livro”, conta.

                                                                                    Reportagem publicada no jornal Folha  de Londrina/Reprodução
 

O autor explica que o principal objetivo de disponibilizar a versão on-line de sua obra é difundir a sua produção, e a internet contribui no sentido de diminuir as barreiras físicas, econômicas e geográficas. “Além disso, o e-book, após a produção do livro impresso, quase não tem custo – o que torna viável esta ‘promoção’. Independente do custo, muitos exemplares impressos foram doados para bibliotecas e deixados em locais públicos, durante eventos como a Cúpula dos Povos, no Rio de Janeiro, FLIP, em Paraty, e Bienal do Livro de São Paulo.  Também cabe citar que o e-book ainda é uma incógnita no Brasil, e meu lado pesquisador do mercado editorial fica tentado a saber se e quanto as pessoas estão dispostas a pagar por um livro digital”, explica Rodrigo, que estudava estratégias  alternativas de divulgação e distribuição para o mercado editorial e vinha preparando o lançamento em formato digital desde o começo do ano.

O livro impresso foi lançado em dezembro de 2011 e já circulou por eventos no Rio de Janeiro, Paraty (Flip), São Paulo (Bienal), Curitiba, Londrina, Foz do Iguaçu, Uberlândia, Uberaba, Brasília e Sinop (e deve passar por Porto Alegre ainda esse mês). A obra é composta majoritariamente por contos, mas também apresenta crônicas e poesias. O texto conquistou o primeiro lugar no Prêmio Utopia de Literatura em 2010, organizado pela Utopia Editora, de Brasília. Além disso, a publicação também foi finalista do Prêmio Nacional SESC de Literatura, em 2008, e conquistou, em 2012, o terceiro lugar no concurso internacional promovido pela União Brasileira de Escritores (UBE).

Direitos autorais

Em entrevista à Toda Letra, Rodrigo afirmou que a legislação de direito autoral no Brasil, datada de 1998, está defasada por não contemplar todas as possibilidades de produção, distribuição e reprodução que foram introduzidas pela internet. “No entanto, o mercado editorial já está mudando e ainda vai mudar muito, tal qual a indústria fonográfica, que foi obrigada a adaptar-se ao MP3. No meu caso específico, acredito que não vale a pena produzir arte se esta não for inspiradora. Se minha obra for inspiradora a ponto de alguém criar outra obra, em outros meios e suportes, penso que cumpri minha missão. Só não pode mesmo usar meu trabalho para ganhar dinheiro, aí eu me sentiria roubado”, conclui.

 

Se você se interessou pela proposta de Rodrigo e quiser entrar em contato com ele para conversar sobre o trabalho autoral ou de pesquisador, o e-mail é rodrigodomit@gmail.com.

*Rodrigo nos autorizou a publicar seu e-mail para que os leitores possam manter contato com ele.

 

Um Escritor na Biblioteca recebe João Gilberto Noll amanhã

Por Toda Letra em 15 de outubro de 2012

O escritor gaúcho João Gilberto Noll é o convidado deste mês do projeto “Um Escritor na Biblioteca”. O encontro acontece amanhã, a partir das 19h, no Auditório Paul Garfunkel, no segundo andar da Biblioteca Pública do Paraná.

Lourenço Mutarelli, Domingos Pellegrini e Fernando Morais foram alguns dos convidados de 2012 (Arte: Biblioteca Pública do Paraná/Divulgação).

Noll publicou 13 livros, entre eles O cego e a dançarinaA fúria do corpoBandoleiros e Lorde. Considerado um dos mais premiados autores brasileiros, o escritor gaúcho já recebeu o Prêmio Jabuti em 5 ocasiões. Um de seus principais livros, Harmada, está na lista dos 100 livros brasileiros essenciais em qualquergênero e em todas as épocas da Revista Bravo!.

Programe-se

Um Escritor na Biblioteca, com João Gilberto Noll
Dia 16 de outubro, às 19h.
Local: Auditório Paul Garfunkel
Entrada franca.

Museus têm programação especial no feriado

Por Toda Letra em 11 de outubro de 2012

No feriado de Nossa Senhora Aparecida, padroeira do Brasil, no dia 12 de outubro, os museus da Secretaria de Estado da Cultura (SEEC) abrem em horário especial. Na ocasião, quando também é comemorado o Dia das Crianças, é possível visitar uma grande variedade de exposições que contemplam diferentes manifestações artísticas. Quase todos os espaços têm entrada gratuita. Neste dia, quem for ao Museu Oscar Niemeyer acompanhado de uma criança terá isenção do ingresso.

Os museus de Curitiba funcionam com horários especiais e programação diferenciada. 

O público do Museu Alfredo Andersen poderá conferir as exposições “quando não mais”, de Eliana Borges e Cintia Ribas, e “Under Construction”, do artista visual Emerson Persona. A primeira mostra utiliza a captação do movimento do corpo e da natureza por meio de imagens sobrepostas. Já  “Under Construction” é composta por desenhos e pinturas de pequenos e grandes formatos e apresenta a fragmentação e distorção do corpo humano, pensados a partir da relação do artista com o meio em que vive.

No dia 12 de outubro, quem for acompanhado de uma criança não paga entrada. Se uma família de cinco pessoas, por exemplo, visitar o MON, e uma das pessoas for menor de 12 anos de idade, todos os acompanhantes terão entrada gratuita.

No Museu Oscar Niemeyer, que funcionará em horário normal durante o feriado, das 10 às 18 horas, é possível ver as exposições “América do Sul, a Pop Arte das contradições”, “Acervo MON – Aquisições 2011/2012”, “Acervo MON Mobiliário”, “Dorothea Wiedemann, aqui ou em qualquer lugar” e “Mulheres no Acervo MON”. No dia 12 de outubro, quem for acompanhado de uma criança não paga entrada. Se uma família de cinco pessoas, por exemplo, visitar o MON, e uma das pessoas for menor de 12 anos de idade, todos os acompanhantes terão entrada gratuita. Além disso, atividades especiais para as crianças estão programadas, como oficinas e espetáculos teatrais.

O Museu de Arte Contemporânea (MAC) abriga duas exposições. Uma delas é “2012: proposições sobre o futuro – mostra do Acervo e Convidados”, que lança um olhar sobre o futuro a partir de obras do acervo do MAC e de artistas convidados. Na outra exposição, “Elementares: André Mendes e Fernando Franciosi”, os artistas percorrem caminhos inversos. Enquanto Franciosi apropria-se dos tecidos populares como suporte e ponto de partida para construir uma alegoria do pop, Mendes parte da plasticidade da tinta e transporta essa substância para o acrílico.

 

Língua Portuguesa

O Museu da Língua Portuguesa, instituição da Secretaria de Estado da Cultura de São Paulo, oferecerá uma programação especial para uma das datas mais esperadas do ano pelos pequenos, o 12 de outubro, Dia das Crianças.  Será que a criançada sabe, por exemplo, que a palavra piranha vem do tupi e significa peixe com dentes? Ou que a diferença entre jacaré e crocodilo está além da disposição dos dentes? Essas entre outras curiosidades darão o tom da oficina de recorte e colagem “Palavras Animais”, na qual as crianças poderão descobrir que os nomes dos animais também podem nos ensinar sobre a língua que falamos.
A atividade será realizada no dia 12 de outubro, às 13h, e é voltada para crianças de 6 a 10 anos, acompanhadas por um adulto responsável. As inscrições para a oficina deverão ser feitas 15 minutos antes do início, no balcão do pátio de entrada do museu. Além da programação própria para as crianças, nos dias 12, 13 e 14 de outubro acontecerão visitas comentadas às 12h e às 14h ao acervo do museu, com curiosidades sobre a língua que falamos, como: a influência de outras línguas, o uso de gírias e a formação das palavras.

As atividades são gratuitas, bastando adquirir o ingresso do Museu  ou retirá-lo na bilheteria no sábado dia 13,já que aos sábados a entrada é sempre gratuita.

Biblioteca sobre rodas incentiva crianças a ler

Por Toda Letra em 8 de outubro de 2012

Em outubro, cinco mil estudantes de escolas municipais de Curitiba conhecerão o projeto O Mundo Mágico de Catarina – Uma Viagem Encantada pela Imaginação. Um ônibus adaptado, com palco e biblioteca, passará por dez escolas municipais para

apresentações de teatro e outras atividades que estimulem a leitura.

Os alunos assistem aos espetáculos e ainda fazem visitas acompanhadas à biblioteca no interior do ônibus, que tem dez títulos de clássicos da literatura infantil para o manuseio e a leitura. Obras como de Alice no País das Maravilhas, de Lewis Carroll; O Bichinho da Maçã, de Ziraldo; e Marcelo, Marmelo, Martelo e outras Histórias, de Ruth Rocha, estão disponíveis para as crianças.

Os estudantes da Escola Municipal Arapongas, do bairro Novo Mundo, conheceram o ônibus nesta quarta-feira (3). Rafaeli Schnekemberg, de 10 anos, ficou impressionada. “Nunca imaginei um ônibus assim, cheio de livros e com as histórias que eu mais gosto de ler. Adorei ver personagens caracterizados e contando histórias de um jeito mágico”, disse Rafaeli.

A professora Maria Thereza Iglesias afirma que as crianças sentem mais vontade de ler depois de conhecer o ônibus. “Precisamos motivar e provocar a criança para a leitura. As histórias são carregadas de expressões de sentimentos e de relação com o mundo que elas precisam aprender”.

Projeto – O Mundo Mágico de Catarina é realizado pelo Canal/MKT com o apoio do HSBC e da Provopar, em parceria com a Secretaria Municipal de Educação.

Segundo Elias Luiz Viana, responsável pelo Núcleo Cultura da Canal/MK, a ideia é apresentar a milhares de crianças, por meio do teatro e da leitura, os grandes clássicos da literatura infantil em um espetáculo itinerante composto por esquetes, leituras e improvisações.

“Todo esse universo está envolvido em uma linguagem cênica e lúdica, cuja mensagem principal é a do incentivo à leitura. O teatro estimula a imaginação e o objetivo principal é usar esse estímulo como ferramenta para incentivar o hábito de leitura entre as crianças”, explica Elias.

Próximas apresentações:

04/10 - Escola Municipal Elevir Dionysio
05/10 - Escola Municipal Jardim Santo Inácio
08/10 – Escola Municipal Prof. Dario Persiano de Castro Vellozo
09/10 - Escola Municipal Vila Torres
10/10 – Escola Municipal São José
11/10 – Escola Municipal Ulysses Silveira Guimarães
15/10 - Escola Municipal Mirazinha Braga
16/10 - Escola Municipal Ali Bark

Dica Cultural: Exposição “Periféricos”, de Daniel Caron

Por Toda Letra em 6 de outubro de 2012

A exposição fotográfica Periféricos, primeiro trabalho de Fine Arts do fotógrafo curitibano Daniel Caron, está aberta desde ontem, na Galeria Portfolio, situada a Rua Alberto Folloni, 634 A, no bairro Centro Cívico em Curitiba. A mo

stra é uma experiência visual bastante singular, um mergulho no universo visual de Caron e sua gente – personagens que a vida lhe apresentou em suas andanças pelo mundo e ele se encarregou de registrar.

Com curadoria do fotógrafo Nilo Biazzetto Neto, as imagens que compõe a mostra revelam aos visitantes a poesia do cotidiano na periferia, com sua riqueza e diversidade. “Procuro sempre tocar o coração das pessoas com meu trabalho, tanto daquelas que fotografo quando do público que vem apreciar as fotos”, explica Caron. A exposição permanece até o dia 9 de novembro, e a entrada é gratuita. O horário de visitação é das 9h às 22h, de segunda a sexta-feira.

O trabalho documental reúne 14 imagens produzidas durante o tempo em que atuou como repórter fotográfico dos jornais Tribuna do Paraná e Gazeta do Povo. No ano passado a série foi selecionada no edital da Galeria Portfolio por um júri que incluiu grandes nomes da fotografia brasileira como Orlando Azevedo e Walter Firmo.